DEGEO

DEGEO

8 de ago de 2011

POR QUE OS TRABALHADORES DA REGIÃO SUDESTE TEM O SALÁRIO SUPERIOR AOS TRABALHADORES DA REGIÃO DO CARRI ?


MARIA ELAINE VIEIRA DE SOUSA*
JADIELLE LIDIANNE CLEMENTENTE SILVA*


INTRODUÇÃO


A indústria apresenta-se como fator importante na estruturação econômica dos lugares, pois impulsiona o comércio,os bancos, os transportes e muitas outras atividades,aumentando o consumo local,já que criam novos empregados aumenta a quantidade de pessoas que recebem salários.
Segundo SILVA apud ALMEIDA E RIGOLIN, 2010 a instalação de indústria no nordeste é resultado dos esforços do governo para dinamizar a economia regional através de políticas de incentivos fiscais adotada pelos governos nordestinos instalarem indústrias destinadas à exportação, separa do mercado consumidor interno investindo em infra-estrutura como na construção do porto do Pecém, que criam condições para a competividade econômica necessária para o desenvolvimento da região.
Em relação ao desenvolvimento do Estado do Ceará, que é algo bastante visível desde meados do século XX, especificamente de 1960 e 1970, observa-se que a industrialização no Estado do Ceará teve um forte desenvolvimento na infra-estrutura, mas foi em 1980 que  podemos perceber uma forte atração de investimentos industriais para o Ceará.
Portanto, segundo MARLENE CORREIA, a industrialização no Ceará começou bem mais tarde do que outros estados, pois a produção de energia elétrica era insuficiente e muitos estabelecimentos usavam geradores. A partir de 1965 devido á energia gerada pela usina de Boa Esperança que começam a instalarem indústrias de maior porte no Ceará, principalmente em Fortaleza, Sobral, Juazeiro do Norte e Crato.
Várias empresas se instalaram na região do Cariri pelo fato da mão-de-obra barata e a inserção de impostos. Portanto através do processo de industrialização acelerado, que ocorreu por diversos fatores, dentre eles a questão religiosa de Juazeiro do Norte,que impulsionou maiores investimentos na região, porém apesar desse crescimento demográfico, podemos perceber as diferenciação salarial entre os trabalhadores do Sul e os trabalhadores  da região do cariri de uma mesma empresa que se instalou no cariri. Essa situação ocorre devido ao sistema de desenvolvimento econômico, que sempre existirá, que é responsável por uma surperpopulação que  contribuir para a redução de custos e como o resultado temos os baixos salários,desigualdade social que acarreta a uma inadequada qualidade de vida.
Portanto hoje as cidades médias, e até de menor porte passaram a ser atrativas para o sistema capitalista, pois apresentam melhor qualidade ambiental, além de mão-de-obra barata. No nosso caso, a região esta passando por um aumento na especulação imobiliária devido ao aumento do numero de indústrias e o crescimento demográfico bastante considerável. Porém pode-se perceber claramente a diferenciação salarial na região devido a vários fatores como a escolaridade. Portanto o presente artigo tem como objetivo analisar o processo de industrialização da região do cariri e a sua influencia na qualidade de vida da população da região.

BREVE HISTÓRICO

O salário mínimo foi criado em 1930 pelo decreto-lei n° 388, em que era fixado por comissões regionais paritárias, compostas por empregados e empregadores e presididas por técnicas em assuntos socioeconômicos. Porém só em 1936 institui-se o salário mínimo aprovado por Getúlio Vargas, com o decreto-lei n° 2.163 de 1º e maio de 1940.
Em relação à fixação do salário mínimo não houve a preocupação em indicar a forma de fixação e nem os elementos que deveriam ser. O conceito salário mínimo foi instituído: é a contra prestação mínima devida e paga diretamente pelo empregador a todo trabalhador, inclusive ao trabalhador rural ,sem distinção do sexo,por dia normal de serviço,e capaz de satisfazer as suas necessidades, tais como a alimentação,habitação, vestuário, higiene e transporte.Portanto o conceito de salário mínimo. Não implica somente o necessário para a alimentação, designam além de tudo seguridade social e qualidade de vida.


ITENS DO SALÁRIO

Os principais itens do salário mínimo, de acordo com a instituição de 1988 são: moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, higiene, transporte e previdência social.Tomando por base o salário mínimo vigente que equivale a R$ 545,00, podemos verificar o quanto é difícil uma família se manter com tal salário.
A tabela a seguir foi construída para percebemos o padrão de vida de uma família, que tenha no máximo três pessoas  que sobrevivem com um salário mínimo.

ITENS
INVESTIMENTO MENSAL ( %)
VALOR
Moradia
Aluguel de casa + água+ luz.
R$ 250,00
Alimentação
1 Cesta  básica no valor de 150 +carne+verduras+frutas+pão + leite
R$ 150,00
Lazer
diversão
R$ 35,00
Vestuário
Camisa+ calça + calçado+ vestido
R$60,00
Higiene
Creme dental+sabonete+desodorante+escova de dente.
R$ 45,00
Transporte
Vale transporte
R$ 30,00
Previdência social
INSS
R$ 40,00
TOTAL ===================================================   R$ 570,00
Percebe-se com esses dados que o trabalhador tem dificuldade para administrar os investimentos mensal, passando  na maioria das vezes o trabalhador ficar em uma situação critica.

CARACTERIZAÇÃI DA TAXA DE SALARIOS

A taxa de salário é o salário-base pago à força de trabalho não qualificada do núcleo realmente capitalista de uma economia. Trata-se, portanto do salário que tem vigência para uma parte importante da força de trabalho industrial, inclusive  a da média e da grande industria,ou seja,,trata-se portanto de empresas que necessariamente cumpre a lei, pagando ao menos o salário mínimo a seus trabalhadores,não qualificados.
A determinação da taxa de salário depende de vários fatores, dentre eles a escolaridade.


DADOS:
  • Dado 1°: Ensino superior completo e incompleto respectivamente
  • Dado 2°: Ensino fundamental completo e incompleto respectivamente
  • Dado 3°: Ensino médio completo e incompleto respectivamente

GRÁFICO 1– Nível de escolaridade da parte administrativa dos microempresários do setor calçadista em Juazeiro do Norte no ano de 2006.

O outro fator é a diferenciação salarial, onde a distribuição salarial depende da própria taxa de salários. Assim, que na taxa possibilita maior diferenciação salarial, que se apresenta como parte do sistema capitalista. A taxa e a estrutura dos salários estão vinculadas ao padrão de acumulação e à estrutura produtiva. O processo de acumulação de capital exige a adequação entre o padrão de acumulação, a estrutura produtiva, a composição da demanda, a distribuição de salários e os esquemas de financiamento necessários para a realização da produção, como dessa maneira, uma variação na taxa de salários provoca alterações na distribuição de salários. 

PRINCIPAIS EMPRESAS DO CARIRI RESPONSAVEL PELO SALÁRIO MÍNIMO.
    
A indústria consequentemente passa a atrair mão-de-obra, serviços, investimentos públicos e privados e também apresenta pontos negativos como o deslocamento populacional que devido à excessiva capacidade organizacional e tecnológica muitas pessoas são excluídas do mercado de trabalho, além da degradação do meio ambiente, que é causada pela necessidade de expandir a área física ou na obtenção de matéria-prima. As transformações políticas, econômicas e sociais produzidas com a implantação de uma determinada industria ocorre a partir de fatores internos como a condição financeira da população, a capacidade educacional, conhecimento, pesquisa e desenvolvimento não deixando também de enfatizar a atuação dos agentes locais,  que se constitui como o principal agente do desenvolvimento local.
Ao longo do tempo, muitas empresas têm se afastado de áreas mais industrializadas evitando problemas como o alto preço de terrenos, mão-de-obra mais cara, congestionamentos e poluição. Mas devido ao empenho do governo estadual de atrair industrias do sul do país e mesmo exterior para se instalar no Ceará, passou a oferecer o terreno,construindo estradas, garantindo o fornecimento de energia elétrica,água e de certa forma liberou também as empresas de pagarem impostos por alguns anos,e a mão –de - obra mas barata e também de não ter um movimento  sindicalista na região do cariri de uma forma que obtenha êxito, para que os trabalhadores possam reivindicar seus direitos, como podemos citar melhores condições de trabalho e por uma qualidade de vida mas digna, portanto foram esses fatores que favoreceu as empresas se instalarem na região do cariri, foi o que aconteceu em Sobral para a instalação da Grendene,fábrica de sandálias de plástico,mas foi a partir de 1993 a Grendene em poucos anos chegou a produção de 5 milhões de pares por ano,sendo que 10% dessa produção foram exportadas para vários países,trazendo assim novas industrias,algumas se instalam em Sobral para dar suporte na fabricação das sandálias,e as outras se instalaram  na região do cariri. As empresas calçadistas do Sul/Sudeste foram se deslocando para o Nordeste a procura de mão-de-obra mais barata, incentivos dos governos estaduais e em alguns casos, para uma produção voltada ao mercado externo, pois a pressão da concorrência obrigou ao calçadista brasileiro, além de outras providências, a reduzir custos de produção e transporte. O Nordeste possui uma vantagem com relação a este aspecto, devido à sua localização privilegiada em relação a Europa, o nosso principal importador.


GRÁFICO 2 – Destino da produção de calçados das microempresas em Juazeiro do Norte no ano de 2006.

Como podemos também citar a Singer que está presente em Juazeiro do Norte desde de 1997,quando a companhia instalou na cidade a fábrica de máquinas de costura para o mercado de doméstico.Com a ampliação,a unidade produzirá os modelos vendidos no Brasil e os destinados à exportação,que juntos somam mais de 30 modelos diferentes,a Singer ela exporta para os Estados Unidos,América Latina,Europa e Ásia.Esta empresa passou a produzir no futuro 900 mil unidades/ano,a ampliação da fábrica consumiu investimentos na ordem de US$ 5,5, milhões,aumentou a produção da unidade de 250 mil para 650 mil unidades por ano e gerou 530 novos postos de trabalho,totalizando 900 funcionários.
E dentre outras empresas como podemos citar,o setor de comercio como o Cariri Shopping e o Atacadão, o Hiper Bom preço,o setor de habitação que também está crescendo  na região,com investimentos em condomínios fechados( Campo Alegre, Terras da Lagoa Seca, Portal Bela Vista e dentre outras) e da intensificação do processo de verticalização que se dá na cidade,sobretudo no bairro Lagoa Seca. Na cornubação Crajubar é bastante visível o crescimento urbano de Juazeiro do Norte que alcançou proporções consideráveis, sedimentando a força política e econômica desta cidade no Estado do Ceará.
Essa conurbação se dá para o lado Oeste da cidade (em direção à cidade do Crato ) onde é muito visível a proliferação de revendedoras de automóveis e caminhões,como a Fiat,Toyota,Ford,Hyndai, e dentre outras,e para o lado Sul (em direção à cidade de Barbalha) com o aumento significativo de condomínios fechados e de prédios,isto é,do setor habitacional.,que são empresas  que vieram para a região,mas precisamente para o Juazeiro do Norte,tornando assim especializadas em alguns gêneros industriais propiciando vantagens econômicas para a cidade,mas ainda assim deixa muito a desejar principalmente na questão da distribuição da renda que gerar as desigualdades sociais,que é bastante visível por causa da diferenciação salarial,entre essas empresas que são espalhadas pelo Brasil e na  região do cariri.
Pois o salário mínimo é um importante instrumento de distribuição de renda. No passado, a maioria dos países desenvolvidos implantou políticas de valorização do salário mínimo, o que resultou na dinamização do mercado interno. No Brasil, a elevação do valor do salário mínimo significaria um crescimento da renda de parte das famílias de baixo poder aquisitivo, com impacto direto sobre o nível de atividade econômica, o que ativaria a economia através dos efeitos decorrentes do aumento do consumo. Outro objetivo, não menos importante, é minimizar, pela ação governamental, a tendência de o mercado de trabalho reduzir o valor dos salários na renda nacional, fixando um piso salarial capaz de garantir aos trabalhadores – especialmente aos menos qualificados – e suas famílias, condições básicas de sobrevivência. Da mesma forma, a discussão sobre desenvolvimento sustentado no Brasil deve passar, necessariamente, pela diminuição da exclusão e da desigualdade social, incorporando um número cada vez maior de pessoas ao mercado. É quase impossível desenvolver uma política de correção de desigualdade de renda sem que se utilize o salário mínimo como um de seus principais instrumentos.
A recuperação do poder de compra do salário mínimo aumentaria a renda das famílias, além de aquecer o mercado interno, viabilizando o crescimento sustentado da economia. Nos países desenvolvidos, a política de salário mínimo está inserida no conjunto de políticas sociais como o seguro desemprego, a aposentadoria e a renda mínima garantida para pessoas com ou sem ocupação e com rendimento abaixo da linha de pobreza – limite da condição de miséria. Em geral, nestes países, o salário mínimo acaba por atingir um segmento bem reduzido de trabalhadores – jovens, temporários, em treinamento, jornada reduzida - dado que a maioria recebe acima deste valor, mesmo os menos qualificados. O crescimento econômico é importante para a elevação real do salário mínimo, de forma a permitir que a estrutura de produção suporte aumentos periódicos. Mas não é condição suficiente. A realidade brasileira serve perfeitamente como exemplo. As condições do mercado de trabalho no Brasil não favorecem o crescimento dos salários mais baixos a partir das negociações coletivas ou do desenvolvimento econômico. Muitos dos que trabalham não possuem vinculo formal de emprego e vivem em situação de pobreza absoluta. Por isso, tornam-se fundamentais as políticas econômicas e sociais comprometidas com a incorporação de milhões de excluídos.
Portanto, a política industrial do Ceará é justificada, principalmente, pelo intento de se promover o desenvolvimento econômico do Estado. Nesse sentido, busca- se, mediante a atração de investimentos de empresas industriais, criarem oportunidades de trabalho e promover o aumento da renda no Ceará. Observando o atraso econômico, relativamente à RMF ( Região Metropolitana de Fortaleza) , dos municípios localizados fora dessa região, o Governo do Estado passou a ofertar maiores incentivos para as empresas que implantassem unidades produtivas naquele local. Como conseqüência dessa política, algumas organizações industriais implantaram seus parques produtivos em diversos municípios do Estado. É interessante observar que, os municípios onde estão instaladas essas empresas apresentam maior salário médio e maior percentual de trabalhadores com carteira assinada do que aqueles onde não existem empresas incentivadas; ou seja, pode-se considerar que há melhores condições de trabalho nos municípios com empresas atraídas do que naqueles que não possuem esse tipo de empresa.
Sobre os impactos do salário mínimo, podemos destacar a questão das investigações sobre os efeitos alogativos e destributivos do salário mínimo mostram resultados ambíguos. Os estudos feitos ao longo dos anos sobre esse assunto, mostra que foi analisado os efeitos do salário mínimo sobre o nível de emprego e a sua distribuição entre os trabalhadores em situação de desvantagem no mercado de trabalho ,como os jovens, os negros,mulheres que recebem um baixo salário,com relação as demais.   
Essa situação passa a influenciar na Qualidade de Vida no Trabalho que é uma abordagem baseada na filosofia humanista – que prega a valorização do trabalhador como ser humano - e busca o equilíbrio entre o indivíduo e a organização, através da interação entre as exigências e necessidades de ambos, gerando cargos que sejam satisfatórios tanto para as pessoas quanto para a organização. Pois segundo Vieira (1993) Com as novas formas de organização do trabalho, que buscam tornar trabalho e vida pessoal complementares, fica evidente que diversos fatores, além daqueles presentes na organização, interferem na satisfação do indivíduo, refletindo-se em seu desempenho no trabalho. Assim, não se pode ter preocupação apenas com a qualidade de vida dos trabalhadores em situação de trabalho, para que se tornem mais produtivos e motivados; é preciso entender-se o conceito de QVT como o gerenciamento de condições que extrapolam os limites da organização em termos de melhoria da qualidade de vida dos empregados, em todas as dimensões do seu ser: física, social, psicológica, intelectual e profissional.
Conforme TABOSA apud NILANDER e MATHIS (2000 )  desde a década de 90 tem se desenvolvido várias experiências no sentido  de construir  indicadores,e índices de condição de vida da população como instrumentos de planejamento e formulação de políticas públicas. Mas segundo Gomes (2000), citado por Tabosa “ defini qualidade de vida implica em formas inevitável de identidade, cooperação, solidariedade, participação e realização,assim como satisfação de necessidades e aspectos tendo em vista as transformações sociais”.Tabosa comenta também que o tamanho do PIB da per capita de uma população,utilizado anteriormente como único indicador para medir o bem-estar, não é suficiente para analisar as condições de vida,pois faz-se necessário buscar medidas sócio-econômicas mais abrangentes,como por exemplo, os bens duráveis,saúde,educação,habitação e aspectos sanitários.
Podemos perceber que sobre está questão é certo que, se não estiverem satisfeitos com sua vida pessoal e profissional, não estarão mobilizados para contribuir com a qualidade dos produtos e serviços da organização da empresa. Essa atitude é necessária àquelas empresas que almejam o sucesso e, mesmo, a sobrevivência no mercado, pois traz resultados positivos, tanto para o empregado, na forma de uma vida mais saudável e satisfatória, como para a empresa, na forma de retenção de seus colaboradores, melhorias no clima organizacional, nos relacionamentos, na produtividade e nos resultados.

CONSIDERAÇÕES FINAIS


Consideramos em primeiro lugar, o desenvolvimento e instalações de algumas empresas na região do cariri      que ocorreu por diversos fatores, sobretudo empresas vindo do Sul e do Sudeste impulsionados pela baixa qualificação profissional e os  incentivos fiscais do governo e também o desenvolvimento econômico do cariri. Percebemos que neste caso o capital é quem rege em nossa vida social, pois somos “obrigados” a conviver e adapta-se a existência do mercado atual onde o papel da indústria afeta bastante os aspectos econômicos e sociais, pois principalmente, torna-se além de importante é fundamental.
Nas últimas décadas têm se caracterizado por expressivas e rápidas mudanças tecnológicas, econômicas, políticas e sociais, com reflexos diretos nas empresas, influenciadas pela globalização da economia, criando-se, assim, um mercado concorrencial, em nível global, bastante competitivo, pois o processo de globalização e o modelo neo-liberal têm gerado grandes transformações no mundo do trabalho, tendo  passado por um período de muitas transformações, tanto a  globalização,como  o avanço da tecnologia e a própria reestruturação do processo produtivo são algumas origens destas mudanças.
Portanto, apesar desse desenvolvimento econômico no Brasil, especificamente no Sul e no Sudeste,por causa das industrias,e as microempresas,que por diversos fatores desencadeou a instalação dessas mesmas na região do cariri, percebemos que  é bastante visível a diferenciação salarial, que reflete de forma desigual na qualidade de vida dos trabalhadores, pois um trabalhador da mesma empresa sendo no Sul e no Sudeste recebe três salários mínimos, tendo um padrão de vida melhor se comparado ao trabalhador local, para fazer o  mesmo serviço que um trabalhador desta empresa instalada  na região do cariri que só recebe um salário mínimo, que na verdade mal da para suprir suas necessidades, passando assim  a influenciar  na sua qualidade de vida , Este fato ocorre por causa do sistema capitalista, que busca cada vez mais   um lucro considerável, não importando com as conseqüências com os trabalhadores, obtido através do consumo exagerado    dos seus produtos gerando assim  as lutas de classes, passando  a  refletir na qualidade de vida da classe oprimida. 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:
Ppe.ipea.gov.br/index.php/ppe/article/viiwfile/507/448
www.boletimjuridico.com.br/doutrina/texto-asp? :d=936
ALMEIDA,M.A e RIGOLIN,T.B.(2002) Geografia –série novo ensino médio.São Paulo:Editora Ática,pp. 423-426.
CORREA,Marlene.(2005) Ceará:geografia para a construção da cidadania,4ª série.2.ed.São Paulo:FTD,pp. 96-99.
WWW.sober.org.br/palestra/2/780.pdf

Graduandos do Curso de Geografia do IV – Semestre
Disciplina – Geografia da População
Professor – João Ludgero Sobreira Neto

Um comentário:

  1. Na introdução do artigo as autoras introduzem o assunto de uma maneira bem interessante, falam da principal fonte de crescimento economico da região, a indústria.
    Na parte do histórico do salário mínimo achei um pouco desnecessário, mas interessante.No entanto quando ressaltam os fatores que determinam a taxa do salario minimo foi bem coerente e necessário para que se possa entender o motivo de se ter uma mão de obra tão barata na região assim como no tópico das empresas responsaveis pela taxa de salário mínimo.
    As autoras nos mostram com clareza o motivo de tantas empresas virem para a região do cariri.
    Nas considerações finais elas defendem seus pontos de vista de acordo com os argumentos de sua pesquisa com muita coerência.

    ResponderExcluir